Imas assume gestão do Hospital Tramandaí

Hospital era administrado desde 2011 pela Fundação Hospitalar Getúlio Vargas.

O Governo gaúcho, por meio da Secretaria Estadual de Saúde (SES), realizou na última sexta-feira (31/05), a assinatura do contrato com a empresa que assumirá a gestão do Hospital Tramandaí (HT). O ato ocorreu no auditório do Centro Administrativo de Contingência (CAC), em Porto Alegre, e contou com a presença do vice-governador Gabriel Souza, da secretária Arita Bergmann e as representantes da empresa.

Após muitos impasses, a instituição de saúde será administrada pelo Instituto Maria Schmitt (Imas), a mesma responsável pela Unidade de Pronto Atendimento (UPA) e o Centro Especializado em Reabilitação Física, Auditiva e Visual – Dr. Freddy Flaviano Torrico Soria (CER III), ambas em Osório. A mudança começou a valer no sábado (1), quando a nova equipe assumiu os sistemas de regulação, prontuários, equipamentos, estoque de insumos, seleção de recursos humanos e realização de contato com os fornecedores.

SERVIÇOS CONTRATADOS

O valor total do contrato para a prestação de serviços pelo Sistema Único de Saúde (SUS) no Hospital Tramandaí com o Imas é de R$ 63,99 milhões por ano. Do total, R$ 38,7 milhões são recursos Estaduais, na forma de incentivos, enquanto o restante será pago via recursos Federais. Entre os serviços contratados mensalmente estão 75 partos e nascimentos, mais de mil consultas médicas em atenção especializada (nas áreas de cirurgia geral, ginecologia e obstetrícia, neurocirurgia e ortopedia e traumatologia), mil atendimentos de urgência e 700 diagnósticos por tomografia, entre outros.

HISTÓRICO

De 2003 a 2011, o Hospital Tramandaí prestou serviços à SES tendo como gestora a Comunidade Evangélica Luterana São Paulo (Ulbra Canoas). Em julho de 2011, no entanto, a Ulbra, em crise financeira, comunicou a desistência de seguir na administração. Devido às dívidas com a Receita Federal e com os bens da instituição passando a fazer parte do patrimônio da União, foi formalizada a cessão de uso gratuito para o Estado. No mesmo ano, a gestão passou à Fundação Hospitalar Getúlio Vargas (FHGV), que seguiu no comando do HT por mais de 12 anos. A FHGV teve seu contrato rompido com o Governo gaúcho após a instituição ter o seu serviço de obstetrícia encerrado, em 1º de abril deste ano. A partir daí o Estado iniciou a busca por uma empresa para que assumisse a gestão do HT de maneira preventiva.

INSTITUIÇÃO

O Hospital de Tramandaí é referência em Obstetrícia para os municípios de Tramandaí, Imbé, Cidreira e Balneário Pinhal, atendendo cerca de 75 mil pessoas. Com a falta dos profissionais, isso vem acarretando em um sobrecarregamento em outros hospitais da região, como é o caso do São Vicente de Paulo (HSVP), em Osório, e o Santa Luzia, em Capão da Canoa. Não bastasse isso, o HT é o único Hospital com Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Neonatal do Litoral Norte, além de ser também referência em Gestação de Alto Risco para as 23 cidades da região.

A entidade conta com 131 leitos SUS de internação, sendo habilitada como: Centro de Atendimento de Urgência Tipo III para pacientes com Acidente Vascular Cerebral (AVC); Hospital Dia – Aids; serviço hospitalar para tratamento da Aids, laqueadura, vasectomia, UTI Adulto Tipo II e UTI Neonatal Tipo II. Possui ainda as especialidades de neurocirurgia, traumato-ortopedia, pneumologia, nefrologia e obstetrícia, entre outros. Entre 2019 e 2023 registrou uma média de seis mil internações por ano.

Secretária Arita, vice-governador Gabriel e representantes do Imas. – FOTO: Angélica Ritter