Osório sofre com falta de medicamentos na Farmácia Municipal

Secretário Danjo Renê e farmacêutico Vinicius Schmidt explicam sobre a falta de remédios na Farmácia Municipal. – Foto: Divulgação

OSÓRIO – Não é de hoje, que a população osoriense têm sofrido com a falta de medicamentos na Farmácia Municipal. Em meio a tantas críticas e questionamentos por parte dos moradores, a prefeitura, por meio da Secretaria de Saúde divulgou no início da tarde de sexta-feira (22), em suas redes sociais, um vídeo onde o secretário Danjo Renê, juntamente com o farmacêutico Vinícius Schmidt, explicam a situação da Farmácia do município e a causa da falta de remédios.

Segundo Vinicius, a razão para o desabastecimento dos medicamentos, problema que atinge todo o Estado e também o país, inclusive nos hospitais, se deve, principalmente, a compra pública dos remédios. “Diariamente, recebemos informações dos fornecedores dando conta da incapacidade dos fabricantes de atender a demanda de medicamentos. Grandes indústrias não estão conseguindo atender toda a demanda do mercado no país”, afirmou Vinicius.

A principal causa para isso é a falta do Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA). Muito citado devido as vacinas contra a Covid-19, o IFA está presente em todos os medicamentos, o qual vai ser o responsável por fazer o efeito desejado em determinado tratamento. Conforme Vinicius, esses ingredientes são importados de outros países, situação que se torna complicada, ainda mais no período em que o Brasil está passando, com problemas enormes de exportação e importação.

Aos poucos, com a melhora da pandemia, o abastecimento dos remédios deve começar a melhorar. Segundo Schmidt, o Conselho Regional de Farmácias, juntamente com outras entidades, emitiu pareceres para a Secretaria Estadual de Saúde, o Conselho de Secretarias Municipais de Saúde do RS (Cosems-RS) e Federação das Associações de Municípios do RS (Famurs), alertando sobre a falta dos medicamentos e, na medida do possível, o serviço reabastecimento deverá retornar ao normal.

Vale ressaltar que o município faz o pedido dos medicamentos por meio de licitação, sempre dando preferência ao menor valor. E, portanto, a cidade fica à mercê dos fornecedores, não podendo romper o acordo para buscar outro fornecedor. O farmacêutico Vinicius ressaltou o trabalho da Secretaria para não deixar faltar os medicamentos, sempre pensando no melhor da população, com zelo nos recursos públicos.