Gripe aviária exige cuidado de moradores da região

Leão Marinho infectado foi encontrado em praia de Torres. - FOTO: Seapi

Após registrar focos de gripe aviária no mês de outubro, o Litoral gaúcho está em alerta devido à grande mortalidade de animais silvestres, como aves, leões e lobos-marinhos, nas praias. A influenza aviária afeta principalmente aves, mas, além dos mamíferos aquáticos, pode ocasionalmente atingir cães, gatos e seres humanos que tenham contato direto com animais infectados. Por isso, quem for frequentar a praia deve tomar algumas recomendações:

– Não se aproxime ou tente socorrer animais feridos ou doentes;

– Não se aproxime de animais mortos;

– Evite circular com cães, gatos ou outros animais domésticos na beira da praia.

Em caso de encontrar animais mortos ou doentes nas praias, notifique os órgãos do Estado pelos telefones: (51) 98445-2033 (Secretaria de Agricultura) ou (51) 98593-1288 (Secretaria de Meio Ambiente). O contato também pode ser realizado diretamente com a Patrulha Ambiental (Patram). Em Osório o telefone da Patram é o (51) 3601-1726. Vale ressaltar que não há risco no consumo de alimentos cozidos ou industrializados, como ovos e aves. Além disso, não há registro de influenza aviária em granjas avícolas, nem em criações de aves de subsistência no Estado.

SITUAÇÃO NO ESTADO

Até o momento, o RS possui quatro focos de influenza em aberto, registrados nos municípios de Rio Grande, Santa Vitória do Palmar e Torres (em mamíferos aquáticos) e em São José do Norte (em ave silvestre). Outro foco foi detectado em maio na Reserva do Taim, também em aves silvestres – porém, foi encerrado após evidências epidemiológicas e colheitas negativas realizadas pela Secretaria da Agricultura, Pecuária, Produção Sustentável e Irrigação (Seapi).

O protocolo adotado pelo Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa) é de que, no momento em que uma espécie apresenta laudo positivo para a gripe aviária, animais da mesma espécie encontrados doentes ou mortos devem ser tratados como casos positivos da enfermidade, sem necessidade de colheita de amostras e exame diagnóstico. Tiveram laudo positivo para a gripe aviária em território gaúcho as seguintes espécies: Cisne-de-Pescoço-Preto, Trinta-Réis-Real, Lobo-Marinho e Leão-Marinho, sendo contabilizados 608 mamíferos aquáticos (leão-marinho e lobo-marinho) mortos por conta da influenza no Estado.