Final de ano gera o aumento da procura por trabalhadores temporários

FCDL-RS projeta a contratação de 18 mil colaboradores extras pelo comércio nos dois últimos meses de 2023.

A proximidade do final do ano e, consequentemente, de datas como Black Friday, Natal e Réveillon, deve ampliar o consumo no estado e, também, aquecer o mercado de trabalho do comércio gaúcho, abrindo milhares de vagas temporárias no setor. A Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Estado (FCDL-RS) projeta a abertura de 18 mil postos de trabalho temporários no estado no último bimestre de 2023, ajudando a suprir a necessidade de ampliação do quadro de colaboradores que os lojistas gaúchos apresentam no período.

“É uma boa notícia que traz reflexos positivos tanto para quem contrata como para quem é contratado, na medida em que isso demonstra a expectativa de crescimento de vendas e, ao mesmo tempo, proporciona maior geração de renda e de consumo”, avalia o presidente da FCDL-RS, Vitor Augusto Koch.

O dirigente lembra que a contratação de temporários ajuda o comércio a se preparar adequadamente para o tradicional aumento da demanda de consumidores no final do ano. Um detalhe importante nessa procura é o papel fundamental desempenhado pelas lojas físicas no mercado de trabalho. Elas começaram a contratar trabalhadores temporários no início de outubro, mas na medida em que o Natal se aproxima, a oferta de emprego aumenta, com a maior parte das vagas sendo abertas em novembro.

“Há a perspectiva de incremento das equipes de vendas em lojas e mercados, além da necessidade de reforço em setores como caixa, estoque e recepção. Geralmente, os empresários contratam entre um e dois novos colaboradores nesse período do ano e eles podem trabalhar em torno de três meses. Vale destacar a importância de o trabalhador temporário estar motivado para exercer sua atividade, na medida em que muitos deles podem ser efetivados ao final de seus contratos. Para 2024 existe a projeção de uma taxa de efetivação no Rio Grande do Sul em torno de 14%”, Koch.

Presidente da FCDL-RS, Vitor Augusto Koch.

A expectativa da FCDL-RS é de que a maior parte dos temporários, cerca de 50%, seja contratada por lojas do segmento de vestuário, calçados e acessórios, ramo mais impactado pelas vendas de final de ano, que, costumeiramente, apresentam crescimento consistente nos meses de novembro e dezembro.

Para quem pretende se candidatar às vagas temporárias, a recomendação é que apresente um currículo enxuto, priorizando a escolaridade e as experiências profissionais mais relevantes para a vaga. Ter desenvoltura para lidar com o público e dedicação, são essenciais. Também é importante a seriedade para quem vai encarar o trabalho temporário, pois pode vir a ser uma porta de entrada para permanecer na empresa.