Vandalismo em posto de saúde inutiliza quase três mil vacinas

Crime ocorreu na ESF São Jorge, em Capão da Canoa, na noite do último sábado (14).

Um Posto de Saúde localizado no bairro São Jorge, em Capão da Canoa, foi alvo de vandalismo no último final de semana. Segundo a Polícia, um dos disjuntores da Unidade de Estratégia Saúde da Família (ESF) foi quebrado e desligado. O ato criminoso acabou ocasionando instabilidade na rede elétrica, alterando o funcionamento das câmaras frias, o que fez com que 2.994 doses de vacinas acabassem sendo inutilizadas.

Segundo a coordenadora das imunizações da ESF São Jorge, Michele Bujes, a temperatura da câmara precisa estar abaixo de oito graus para garantir o armazenamento correto das vacinas, o que não foi constatado quando os funcionários chegaram ao posto na manhã de segunda (16). Entre as vacinas estragadas, haviam 740 da Covid-19 (Aztrazeneca, Coronavac e Pfizer), sendo 114 da 1ª dose e 626 da 2ª dose. Também foram perdidas 440 doses da vacina contra a Gripe (Influenza) e 1.814 doses de outros imunizantes, incluindo BCG, HPV, hepatite A e B, raiva, varicela, entre outras.

Em nota, a Secretaria de Saúde de Capão, relatou que fez o registro do Boletim de Ocorrência e encaminhou ao governo do Estado um relatório para análise das amostras e posteriormente encaminhamentos a serem tomados. Na terça-feira (17), a Polícia Civil analisou as imagens de uma câmera de segurança no local. Nela, aparecia um garoto de bicicleta se aproximando do disjuntor do posto por volta das 23h e 30min de sábado (14). “Por meio das imagens conseguimos chegar à casa do menino. Com a ajuda da mãe dele, nos contou que pensava em deixar algumas casas sem luz, uma brincadeira. Ele estava com a irmã e o namorado, mas nas imagens fica bem claro que o casal estava muito à frente e não viu o que ele fez. E o menino confirmou que não contou o ato para ninguém”, disse a delegada Sabrina Deffente.

Por ter menos de 12 anos, não será gerado ato infracional. A conclusão será enviada ao Ministério Público (MP) para se avaliar eventual acompanhamento do caso pelo Conselho Tutelar. Agora, a polícia apura a responsabilidade pelo disjuntor estar em local de tão fácil acesso.

Nenhuma das doses foi descartada até o momento. Os imunizantes seguem armazenados na câmara de conservação de imunobiológicos esperando respostas da Secretaria Estadual e do Ministério da Saúde. Em relação a vacinas de rotina, o município registrou no sistema do Estado que avaliará as condições das doses. Quanto às vacinas contra a covid-19, o registro foi junto ao Ministério da Saúde, que possui os protocolos estabelecidos.

FOTO: PMCC